Quando chega o período eleitoral, muita gente entra em dúvida sobre o que fazer e o que não fazer com suas campanhas de marketing na internet. As leis nunca são as mesmas, os políticos também não, muito menos sua imagem junto ao eleitor. As dúvidas geralmente são sobre fazer ou não site e página no Facebook, patrocinar campanhas através ou não de aliados, de que forma pode motivar ainda mais os militantes, como fazer um viral positivo, dentre outras. As respostas para essas perguntas canadianpharmacysites.com nem sempre são diretas e fáceis, pois o jogo político é feito de diversas curvas estratégicas. Vejamos.

1) Qual rede social investir?

Facebook e sua família (Facebook, Instagram e Whatsapp). As demais redes sociais são importantes, mas, para quem não tem tempo, o Facebook é o canal essencial. Já o Instagram serve para branding – reforço de imagem – e captação do dia-a-dia, com o Instagram Stories. E o Whatsapp serve para comunicação instantânea, no lugar do que antes era o SMS.

2) Que importância se deve dar às ações em redes sociais?

Importância principal, carro-chefe, de onde se vai tirar posicionamentos de campanha, argumentos favoráveis e contrários, investigação de público e análise da concorrência. As redes sociais se tornaram a principal canadian pharmacy viagra mídia para reforçar a imagem do candidato para a massa, enquanto as demais mídias (sim, elas devem obrigatoriamente coexistirem) serve para retransmissão das mensagens.

3) Em que parte devo melhorar?

Na conversa com o eleitor. Para ganhar visibilidade no Facebook sem precisar pagar, é necessário fazer o público se engajar. Para isso, quanto mais você conversa, mais o público fala, se movimenta e agrega autoridade à campanha.

Saiu a entrevista que dei para o Jornal OPovo. Vale a pena conferir!
Clique aqui para acessar:
http://www.opovo.com.br/app/opovo/politica/2016/08/24/noticiasjornalpolitica,3651773/rede-social-tem-ainda-mais-importancia-para-os-candidatos.shtml

FIQUE POR DENTRO: O QUE PODE E O QUE NÃO PODE NAS ELEIÇÕES 2016 NA INTERNET:

É permitido

  • Site do candidato, do partido ou da coligação, com endereço eletrônico comunicado à Justiça Eleitoral e hospedado, direta ou indiretamente, em provedor de serviço de internet localizado no Brasil;
  • Mensagem eletrônica para endereços cadastrados gratuitamente pelo candidato, partido ou coligação, desde que permita o descadastramento pelo destinatário em um prazo máximo de 48h;
  • Blogs, redes sociais, sites de mensagens instantâneas ou semelhantes, como conteúdo produzido ou editado pelo candidato, partido ou coligação, ou de iniciativa de qualquer pessoa natural.

É proibida

  • Veiculação de qualquer tipo de propaganda eleitoral paga;
  • Veiculação de propaganda eleitoral, mesmo que gratuitamente, em sites de pessoas jurídicas, com ou sem fins lucrativos, e em sites oficiais ou hospedados por órgãos ou entidades da Administração Pública buy modafinil direta ou indireta da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios.
  • Venda de cadastro de endereços eletrônicos;
  • Realização de propaganda via telemarketing, em qualquer horário;
  • Atribuição indevida de autoria a terceiro, inclusive candidato, partido ou coligação.

O não cumprimento do que está estabelecido na lei pode levar à pena de multa no valor de R$ 5.000,00 a R$ 30.000,00, dependendo do caso.